Em Itabuna a  psicopedagoga  Elieuza Andrade   resolveu doar  toda  a renda da venda de  seu livro – lançado em junho nas plataformas digitais – para abrigos e a estudante Laila.  O título Educação Infantil Como Fase Crucial Para o Desenvolvimento Integral das Crianças – fruto do seu mestrado em Ciências da Educação pela Universidade Americana, Assunção/PY – foi objeto de estudo e pesquisa na Escola Comunitária Rainha dos Anjos da Cidade de Itabuna. Para Elieuza Andrade, a educação infantil deve ser  comparada como uma base de uma casa:  "Se uma casa não tiver uma boa base ela vai cair. Assim é a educação infantil" – Declara a educadora.  Segundo Elieuza, que é doutoranda em educação  pela UTIC  (Universidade Tecnológica Intercontinental Assunção/PY), é  na educação infantil que se forma o caráter, a personalidade e o respeito ao mundo, as pessoas e ao meio ambiente.  Além da renda com a venda do livro  ser  destinada para os abrigos São Francisco de Assis, São Vicente de Paulo e Dr Balduíno, parte será doada  para a jovem Laila, uma estudante de 14 anos do Colégio da Policia Militar de Itabuna, que está com câncer na coluna. O livro pode ser adquirido nas principais plataformas de vendas digitais – Americanas, Submarino, Amazon e Shoptime – ou no direct das redes sociais da autora.

O padre Genário dos Santos Medrado tem rodado todo o município de bicicleta orientando a população sobre a importância de se precaver contra a covid-19. O reverendo, que se afastou do sacerdócio para concorrer a prefeitura daquele município pelo PT, tem se mostrado preocupado com a pandemia na cidade.  Por onde passa, além de orientar a população, tem recebido o carinho da mesma que conversa sobre tudo, desde a fé religiosa aos anseios políticos.  Nas redes sociais, semana passada,  um   vídeo do carismático padre rodando a cidade   de bicicleta  viralizou devido a   simplicidade do político.


Ontem 29/06, em live, o ex-deputado Federal e Suplente de Senador,  Bebeto Galvão(PSB) afirmou sua pré-canditatura  a prefeito de Ilhéus.  Segundo Bebeto,  o partido está organizado numa nominata de pré-candidatos a  vereadores com nomes competitivos   para disputar a eleição, e   existe também ampla discussão  com  os pré-candidatos a prefeitos dos  partidos da base do governador Rui Costa (PT), para uma possível coalizão política  inclusive  com a participação do  prefeito Mário Alexandre (PSD).  Para o experiente político, quem quer apoio não deve negar apoio, seu compromisso é com desenvolvimento sustentável do município desta forma é preciso pensar  e colocar em destaque  o interesse da cidade que vem tendo investimento do governo do Estado.

Li o desabafo do vice-prefeito Leandro Junquilho nas redes sociais sobre a queda de arrecadação do município. Sabemos que a arrecadação neste período não vem em crescente mas, nada que possa inviabilizar uma gestão comprometida em fazer mais com menos. O que vejo é falta de economicidade – análise de custo benefício  desde o início do governo quando se gastou o dinheiro público ao invés de investir no que de fato é prioridade. Acho que  no ápice da vaidade nenhum gestor   imaginava que iria encontrar pelo  meio do caminho uma pandemia. Todavia, Deus sabe o que faz para conter a ignorância e vaidade humana. O fato é que o governo atropelou as demandas reprimidas da população e priorizou megas eventos regados com o dinheiro público sem se preocupar com as prioridades do povo deixando tudo para a última hora,como faz os velhos e tradicionais políticos, no intuito de engabelar a população principalmente a parte que mais  sofre com a vulnerabilidade social.   O governo "Honestidade para Governar" chega na metade do último ano de governo sem grandes coisas, perdeu a oportunidade de  fazer gestão,  priorizou  um projeto de poder pelo poder  sem pensar no bem-estar da população.  Dai, só restou ao vice-prefeito Léo jogar a culpa na pandemia. Não sejamos ignorantes,  a pandemia tem quatro  meses, e o governo já era perdulário desde o início, inclusive com contas rejeitadas pelo TCM/BA de forma irrevogável.  Nunca é demais lembrar: o vice-prefeito Jorjão enfrentou sem apoio financeiro da União  dez meses de seca 2015/2016 e ainda tinha o surto da dengue, zica e chikungunya.   Mas, deixemos esse assunto para um outro momento e  vamos aos detalhes da arrecadação e comparativos referente ao ano passado e este ano. Conforme informações do Demostrativo de Distribuição de Arrecadação, no mês de maio de 2019, o município de Itajuipe arrecadou R$ 3.763.546,04 milhões, sendo que, deste valor, teve um desconto de R$ 776.451,42. Já no mesmo mês referente este ano  o município arrecadou R$ 3.065,861,01 milhões, com desconto de R$ 637.326,50. Em  comparação ao ano de 2019/2020, em 15 dias do mês de junho, o município arrecadou R$1.455.454,87 com desconto de R$ 362.461,63. No mesmo período de junho 2020, o município arrecadou 1.894.674,72 com desconto de R$ 204.369,63.   Feito essa explanação, que tem como fonte o site oficial do Banco do Brasil,  fica fácil perceber que a queda da  arrecadação, mesmo diante dessa situação pandemica, não seria suficiente para inviabilizar os serviços essenciais e deixar de  pagar em dia por um motivo muito simples: o Governo Federal repassou  em abril, maio e junho como apoio financeiro ao município  R$ 1.071.803,07,  e mais R$  282.298,85 fundos a fundo saúde para  custeio com  o COVID-19. Por fim, dinheiro ainda não tem sido problema, o problema mesmo é a  gestão do dinheiro público.   
Por: Erê

O Tribunal de Contas dos Municípios rejeitou, na sessão desta quinta-feira (18/06) realizada por meio eletrônico, as contas do prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre Correa de Sousa (PSD), relativas ao exercício de 2018. O prefeito Marão extrapolou o limite máximo para despesas com pessoal, descumprindo a Lei de Responsabilidade Fiscal, e não reconduziu a Dívida Consolidada Líquida do município ao limite legal estabelecido.

Os conselheiros do TCM votaram e aprovaram, por 5 votos a 1, a imputação de multa no valor correspondente a 30% dos subsídios anuais do gestor – R$73.755,00 –, em razão da não redução da despesa total com pessoal ao limite de 54%. O relator, conselheiro José Alfredo, havia sugerido uma multa de apenas 12%, mas foi vencido pelos demais conselheiros presentes à sessão. O conselheiro Paolo Marconi, que abriu a divergência para aumentar o valor da multa, afirmou que o prefeito gastou com pessoal 58,54% da RCL – cálculo sem a aplicação da Instrução 03 do TCM, como ele acha correto – e não 55,73%, número que exclui gastos com servidores que trabalham na execução de programas federais na área de saúde. A despesa total com pessoal da Prefeitura de Ilhéus alcançou o montante de R$206.468.932,05.

O prefeito Mário Alexandre de Sousa ainda foi multado em R$8 mil pelas demais irregularidades identificadas durante a análise das contas. Também foi determinado o ressarcimento aos cofres municipais da quantia de R$362.973,91, com recursos pessoais, sendo R$201.344,94 referentes à não apresentação de processos de pagamento e R$161.628,97, pela ausência de comprovação de despesa.

O município apresentou, no exercício, um déficit orçamentário total de R$20.967.094,17, vez que foram arrecadados recursos no montante de R$373.366.906,43 e realizadas despesas no total de R$394.334.000,60. Além disso, os recursos deixados em caixa ao final do exercício não foram suficientes para cobrir as despesas inscritas em restos a pagar, contribuindo para o desequilíbrio fiscal do município. A relatoria advertiu o gestor quanto a necessidade de adotar providência, desde já, objetivando a reversão da situação, tendo em vista o disposto no artigo 42 da LRF, na medida em que o seu descumprimento, no último ano do mandato, por si, repercute negativamente no mérito das contas.

Em relação à Dívida Consolidada Líquida, o prefeito não conseguiu reduzir o endividamento do município, que correspondeu a 136,50% da RCL, extrapolando, assim, o percentual máximo de 120% disposto na LRF e na Resolução nº 40 do Senado Federal. O conselheiro José Alfredo Rocha Dias ressaltou que, embora houvesse a redução do percentual de 178,20% – em 2017 – para 136,50% – em 2018 –, ele ainda permaneceu acima do limite legal.

Sobre as obrigações constitucionais e legais, a administração aplicou 25,60% dos recursos de impostos, provenientes de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino, atendendo ao mínimo de 25%. Nas ações e serviços públicos de saúde foram investidos 16,04% da arrecadação específica, cumprindo o mínimo de 15%. E, em relação à aplicação dos recursos do Fundeb, a prefeitura aplicou 92,95% na remuneração dos profissionais do magistério, superior ao mínimo exigido de 60%. A relatoria recomendou ao gestor que aumente o percentual dos recursos do Fundeb investidos na qualificação dos professores, na manutenção ou melhoria da rede escolar, na implantação de áreas para a prática de esportes, de ensino de informática e outros, visando a melhoria da qualidade do ensino, que é o objetivo primordial do Fundo.
Cabe recurso da decisão.

Assessoria de Comunicação
Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia



Na sessão desta terça-feira (09/06), realizada por meio eletrônico, o Tribunal de Contas dos Municípios concedeu provimento ao pedido de reconsideração apresentado pelo presidente da Câmara de Vereadores de Itajuípe, Gean Marcio de Souza Silva, e emitiu nova decisão, agora pela aprovação com ressalvas das contas referentes ao exercício de 2018. O conselheiro Raimundo Moreira, relator do parecer, manteve a multa imposta de R$1 mil.
A rejeição das contas, no primeiro julgamento, se deu porque o vereador Gean de Souza Silva não teria pago multas que foram aplicadas pelo TCM. No pedido de reconsideração, no entanto, ele apresentou documentos de que o pagamento foi parcelado, e que, portanto, a irregularidade havia sido sanada. O conselheiro Paolo Marconi apresentou voto divergente pela manutenção da rejeição, em razão da quitação da multa em momento posterior à decisão, mas foi vencido pelos demais conselheiros.
Segundo a relatoria, a multa, no entanto, foi mantida em razão de não terem sido sanadas as irregularidades consignadas no pronunciamento técnico, no que diz respeito a transparência pública e a ausência do relatório da Comissão de Transmissão de Governo, em descumprimento ao disposto no disposto na Resolução TCM nº 1.311/12.

Fonte:
Assessoria de Comunicação Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia


Já disse algumas vezes mas, não custa nada repetir: Itajuípe é um município pobre  que paga caro por eleger  prefeitos vaidosos. Digo isso não com desmérito porque é  a maioria do eleitorado que elege e devemos respeitar a democracia.   Meu propósito nesta crítica  é chamar atenção para forma de gestão e gastos dos recursos públicos sem priorizar as demandas reprimidas do município.  Uma gestão pública moderna não deve ser norteada pelo gosto e vontade do gestor, sim  pela realidade socioeconômica da maioria da  população e, para isso, deve prevalecer os indicadores,  planejamento com dados para execução das decisões em consonância com a participação popular.     Na minha opinião, o gestor deve se fazer pequeno no entendimento para ouvir e realizar  o que de fato possa mudar a realidade do município para melhor porque, na verdade, o que deve prevalecer não é o projeto de poder do prefeito de plantão, sim o desenvolvimento da cidade e seu povo. Assim, não deve importar as condições econômicas do gestor, este não deve medir a população com sua régua para viver uma realidade espetaculosa e vaidosa  com o município pagando a conta.    Há muitos anos nossa cidade sofre desse mal, a gente  só carece do básico, e esse básico não se encontra nos gastos astronômicos com megas eventos sem essência cultural quando as praças do município  ainda estão sucateadas, as ruas esburacadas, quando chove passamos a sofrer com problemas de grandes cidades, desplanejadas com alagamentos nos quatro canto, inclusive no centro.  Mas, será porque o prefeito ignora a realidade socioeconômica do  município e  chama a população, principalmente os mais jovens, a viver sua realidade de megas  eventos e vaidade pagos pelo dinheiro público? Quem for sensato, por favor, destaque ai os benefícios dos gastos mirabolantes com eventos na vida da população. Uma ilusão! Como disse anteriormente, nossas praças continuam sucateadas e a cidade desplanejada com gastos acima do normal com locação de veículos, estrutura para eventos;  por sinal, o depósito de lixo no acesso norte do município continua sendo um crime ambiental a céu aberto. O governo "Honestidade para Governar" não construiu uma segunda ponte para acesso ao bairro Acácio Almeida (Novo Itajuipe), não fez a segunda via para o bairro José de Anchieta (Pitangueira), a partir da Avenida Itabuna ligando ao Bairro Novo. Não teve uma ação concreta  para  geração de emprego e renda pensando no tripé do desenvolvimento: campo, comércio e industria. Então população,  principalmente juventude, já sabe porque Itajuipe está pagando caro por ter  prefeito vaidoso? Porque o prefeito não está nem ai para a realidade do povo, tanto não está que fez questão de morar em Itabuna bem antes da pandemia. Por falar em pandemia, sabe porque, ao contrário de outros municípios da região, o prefeito está usando tanta estrutura de eventos para fechar ruas e bairreira sanitária de forma espetaculosa, coisa do tipo cidades economicamente rica, quando tem municípios tão pobres quanto Itajuipe improvisando com outros materiais? Simples, o prefeito vai precisar justificar execução de recurso milionário com a empresa de estrutura de eventos que ganhou licitação no início do ano. Até quando vamos viver essa ilusão de não ter o básico e gastar o dinheiro público sem investimento no que é prioridade? Até quando vamos ter o trevo da cidade como única alternativa para os jovens? Até quando vamos assistir nossa juventude morrendo nas drogas por falta de políticas públicas? Vamos acordar! Nossa cidade não desenvolveu, não está no caminho certo na saúde, na educação, na cultura, na agricultura, nem no planejamento urbano. Nossa cidade ainda continua sendo um município pobre, administrado por quem quer o poder pelo poder, num projeto pessoal de vaidade.  Não precisamos de  rainha, nem príncipe ou princesa, precisamos de gestor/gestora que more na cidade, ande pelas ruas, dialogue com a população e tenha capacidade de pensar e trabalhar para mudar a realidade de um município pobre com políticas públicas efetivas para melhorar a qualidade de vida da população.
Por: Erê




Depois de treze anos como pároco da Paróquia Senhora Santana de Gongogi, o padre Genário dos Santos Medrado, atendendo  apelo de parte  população, resolveu se afastar o ministério sacerdotal em carta enviada ao bispo Dom Mauro Montagnoli, da Diocese de Ilhéus.

Com essa decisão, o pároco confirma sua pré-candidatura à prefeito do município nas  eleições deste ano pelo Partido dos Trabalhadores (PT).

Nesta quarta-feira (27), o bispo Dom Mauro, seguindo as determinações da Igreja Católica que impede os clérigos de assumirem cargos públicos que implique participação no poder civil, resolveu, em comunicado episcopal, afastar o pároco das funções ministeriais. Conforme decisão o padre Genário  fica suspenso do ofício de ordem, isto é, do exercício do ministério sacerdotal por tempo indeterminado.

O padre Marcos Antônio Cardoso  Alcântara foi designado para assumir as  funções como administrador Paroquial. No mesmo comunicado, Dom Mauro abençoou a decisão do padre Genário pedindo a todos os fiéis que rezem pelo padre e que realmente,  neste momento, seja tempo de recomeço em sua vida e que seja feliz com sua escolha feita. 



O decorador itajuipense   Raul Estrela (28) publicou nas suas redes sociais nesta quarta-feira (20/05), um vídeo informando que estava isolado há nove dias em sua casa  e que  o resultado do seu exame estava sendo esperado há cinco dias. No vídeo, Estrela disse que infelizmente seu exame testou positivo para o coronavirus. Segundo ele, apesar dos sintomas, está bem, sendo cuidado pela sua família e equipe da   rede municipal de saúde.   O  município de Itajuípe tem 21 mil habitantes; 57 casos confirmados e 15 curados.

A postagem foi atualizada às 19:49h. 



O dia 18 de Maio é o “Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, esta data é uma conquista que demarca a luta pelos Direitos Humanos dessa parcela social, e tem como objetivo mobilizar, sensibilizar, informar e convocar toda a sociedade a participar da luta em defesa dos direitos infanto-juvenil, direitos estes que têm ganhado novos contornos de violação com o isolamento social em decorrência da atual pandemia, exigindo assim maior atenção de todos que têm o dever de protegê-los, para garantir a esse público o direito a um desenvolvimento de forma segura e livre de violência.

Esse dia foi escolhido porque em 18 de maio de 1973, na cidade de Vitória (ES), um crime bárbaro chocou todo o país e ficou conhecido como o “Caso Araceli”. Esse era o nome de uma menina de apenas oito anos de idade, que teve todos os seus direitos humanos violados; foi raptada, estuprada e brutalmente assassinada por jovens de classe média alta daquela cidade. O caso nunca teve uma resolução definitiva, mas a mobilização social serviu para a criação da Lei Federal n. 9.970, que estabeleceu a data como dia de combate à Violência Sexual de Crianças e Adolescentes, promovendo atos de mobilização social e política para a conscientização sobre o assunto em todo o país. Leia mais clicando aqui


A Deputada Federal Lídice da Mata (PSB), atendendo  pedido do presidente do PSB de Itajuipe Erenilson Silva "Erê" fez indicação de emenda parlamentar ao Orçamento Geral da União (OGU) 2020 – Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos para  equipagem do Conselho Tutelar do município de Itajuípe. O Kit Conselho Tutelar é composto por um veículo, cinco computadores, uma impressora, um refrigerador, um bebedouro, uma cadeira automotiva para transporte de crianças, uma smart tv e um ar condicionado portátil.  "O pedido foi formalizado na ocasião em que a companheira visitou o município em outubro do ano passado para conhecer a academia ao ar livre implantada através de sua emenda". Informa Erê. “ A chegada desses equipamentos vai melhorar o atendimento prestado à comunidade além de fortalecer o órgão  que lida diretamente com crianças e adolescente garantindo assim condições adequadas de funcionamento para que o trabalho seja o mais eficiente e eficaz". Pontua Joelma Custódio, coordenadora do Conselho Tutelar. Lídice também enviou ofício ao Prefeito Marcone Amaral (PSD) informando a indicação de emenda e a necessidade de  atualização dos dados do município junto ao Sistema Integrado de Gestão para recebimento dos equipamentos.
Neste domingo (26), em mais uma live o prefeito Marcone Amaral (PSD), informou que a partir de amanhã, portanto, dia 27 todo cidadão será obrigado a usar máscara no município. Segundo o prefeito, a medida para o uso da máscara em via pública e repartições pública e privada é necessária para evitar a proliferação do Covid-19. Conforme informações da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), 12 pessoas já foram infectadas. Deste total, 2  já foram curadas. O chefe do Executivo informou que publicará amanhã, o anunciado na última live, "toque de recolher" – das 21h às 05h do dia seguinte(relembre aqui). O prefeito também informou que a "barreira sanitária" passa a funcionar a partir de amanhã 24 horas. Já o comércio, será permitido o serviço "drive thru" – tipo de serviço onde o cliente é atendido, neste caso, pelo lado de fora da loja. 

O prefeito Marcone Amaral(PSD), anunciou  ontem(21/04), durante live "toque de recolher". Segundo o prefeito não será mais permitido  moradores ficarem nas ruas nem na porta de suas casas das 20h às 05h do dia seguinte. Segundo o prefeito o "toque de recolher" é válido em todo território do município para contenção do Covid-19, o novo coronavírus, que testou nesta quarta-feira (22), dez casos positivos. Para manter a ordem segundo o chefe do poder Executivo –  viaturas vão fazer rondas neste período. A decisão do prefeito divide opinião na comunidade e redes sociais. 

A pandemia no Brasil tem sessenta dias, tempo o suficiente para todo sistema de saúde e gestão mostrar sua deficiência.   Sabemos que a situação é grave, não existe vacina nem remédio para combater o Covid-19. Segundo a maioria dos especialistas, a única alternativa para o enfrentamento é justamente, não enfrentar esse mal, ou seja, ficar em casa obedecendo ao isolamento social. A quarentena pode não ser a melhor alternativa, mas, diante de uma situação pandêmica onde os governos investem pouco em pesquisa e saúde, pode ser a saída mais eficaz embora, para alguns, o isolamento social pode levar o país à derrocada econômica. De certo modo isso pode acontecer mas, em primeiro lugar, deve-se pensar em salvar vidas humanas. A economia, embora seja importante, se recupera com medidas voltadas para o aquecimento do mercado e indústria, por sinal, o governo federal está fazendo isso a passos de tartarugas com distribuição de renda direto para o cidadão. Neste momento, quanto mais dinheiro na mão de quem precisa, melhor. É preciso liberar esse auxílio emergencial de forma mais rápida, isso vai colocar comida na mesa de quem mais precisa e ao mesmo tempo fazer a catraca da economia girar.  É necessário ainda pensar em auxílio para o empreendedor e facilitar a linha de crédito para não deixar empresas quebrarem. O governo estadual precisa acelerar a implantação de uma central de atendimento para acolher pacientes suspeitos de coronavírus na região, isso deve ser para ontem – o que menos precisamos neste momento é gastos com propaganda! Em Itajuipe, algumas medidas tomadas pelo prefeito Marcone vêm sendo importantes, porém, é incompreensível o funcionamento da barreira sanitária por doze horas. Se o intuito é impedir entrada de pessoas com possível vírus não tem sentido funcionar por doze horas. No que concerne a suspensão das atividades comerciais local, na minha modesta opinião, precisa ser repensado. Sabemos que os grandes comerciantes considerados "serviços essenciais" estão liberados para abrir seus comércios obedecendo a decretos e orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS). Acontece que os pequenos comerciantes, aqueles que não têm na porta das suas lojas filas enormes, estão pagando um preço alto – e isso não é justo. Basta a Prefeitura orientá-los para os mesmos cuidados sanitários e permitir a abertura para que possam amenizar o prejuízo.   Acho praticamente impossível, várias pessoas saírem de suas casas para irem numa loja, por exemplo, comprar roupas, um vestido ou um sapato para curtir numa festa (decreto proíbe). Com a importante campanha "fica em casa", naturalmente essas pessoas, na sua maioria, estarão em casa. Assim, com a barreira funcionando vinte quatro horas, seria mais fácil impedir a entrada do vírus, podendo então liberar o comércio local para funcionar com os cuidados sanitários. Compreendo a preocupação do Prefeito, mas, não deve um gestor medir a população inteira com sua régua. Nem todos têm condições econômicas ou renda para suportar essa crise, assim, uma venda de um produto tão essencial como um quilo de arroz ou quiçá um saque na casa lotérica, existe risco de contrair o vírus. Desse modo, o pequeno empreendedor julgado e condenado "não essencial" vem pagando um preço alto por ser pequeno. O que não parece essencial para uma pessoa pode ser essencial para outras, por exemplo, cortar cabelo, comprar uma torneira, imprimir um boleto, pagar uma dívida, etc. Um governo justo deve ser desigual para socorrer os desiguais. Não deve o gestor tratar os problemas de forma horizontal, é preciso reflexão e diálogo para compreender e decidir de forma coerente. Para isso, basta o gestor analisar onde e como as nove pessoas foram infectadas; andar no comércio, ter sensibilidade, governar para todos ouvindo os segmentos sociais para não cometer injustiças. 

Por: Erê


Em ofício encaminhado terça-feira(24/03) ao coordenador da bancada da Bahia, deputado federal Daniel Almeida (PCdoB-BA), a deputada Lídice da Mata solicitou o remanejamento do valor total de sua cota parlamentar individual da bancada da Bahia para ações de combate ao coronavírus. Lídice considera essencial a medida para o enfrentamento da emergência de saúde pública causada pela pandemia.

Os recursos da cota individual da parlamentar, no valor de R$ 3.555.134,65, referente às emendas impositivas de bancada do Estado da Bahia do Orçamento Geral da União (OGU 2020) serão alocados na nova ação codificada como 21C0, de Enfrentamento da Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional decorrente do Coronavírus (COVID-19) do Ministério da Saúde. O valor remanejado das emendas de Lídice serão repassados para a Secretaria Estadual de Saúde da Bahia – SESAB.
Informações: Hora da Bahia.


O PSB de Itabuna externa  solidariedade  com votos de recuperação da   saúde do amigo e ex-deputado, Augusto Castro, afetada pelo coronavírus. Temos fé em Deus  que esse momento difícil vai passar e logo estará de volta para continuar sua luta. Em sintonia  com sua família,  rogamos  ao Criador do Universo pela cura  do  dileto amigo que sempre esteve em defesa  do povo itabunense e região.

Dr. Renato Costa
Presidente do PSB Itabuna



Com aval do presidente do Partido Socialista Brasileiro (PSB) no município, Dr. Renato Costa, o cantor, compositor e Produtor Cultural Elivandro Cuca, também conhecido por Mister Cuca, se  filiou nesta quarta-feira(04/03), ao  PSB com o objetivo de conquistar uma das vagas de Vereador na Câmara Municipal. O ato aconteceu na sede do  Sindicato   Rural  de Itabuna com a presença do Diretório Executivo do Partido, militância e lideranças políticas. Na eleição de 2016, Cuca  foi candidato a Prefeito em Itabuna pelo PSOL.   
Nascido no bairro da Mangabinha, estudou em escola pública, trabalhou com seu Pai Eliseu do pastel e se tornou cantor, compositor e Produtor Cultural há 25 anos, levando os seus trabalhos culturais e o nome de Itabuna para a Bahia, o Brasil e todo o mundo, através de artistas famosos a exemplo de Ivete Sangalo, Cláudia Leite, Leonardo, Sorriso Maroto, Durval Lélys, Cacau com Leite, Lordão além de trilha em novela e no filme "Ó Paí Ó". "Tenho a cultura e educação como principal bandeira". – cravou Cuca

Itajuípe continua pelo mesmo caminho  no trato com a coisa pública. Administrar o público não é conduzir uma empresa privada, não é, e não é assim que deve ser.  O público é da conta de toda a população. Não deve existir falta de clareza! 
A população itajuipense já pagou e, vem pagando o preço com projetos gestados sem transparência – nos princípios da “velha política" onde nos dias atuais requer técnica e profissionalismo. Digo isso, após ver a foto populista do prefeito Marcone e vereadores 'empencados'   para anunciar a chegada de um empreendimento tão importante para o município (é preciso amadurecer como gestores e legisladores). Sinceramente esperava uma audiência pública, no mínimo, uma coletiva de imprensa com os investidores e prefeito dando informações à sociedade.  A população precisa saber de fato o que vem pela frente, saber se o projeto é sustentável, futurista principalmente os mais jovens que buscam o primeiro emprego.
A princípio esse investimento privado que promete destravar a 'fantasma fábrica de chocolate' é importante, – muito importante para o município e região. Mas, todo ato que envolve recursos públicos o povo deve tomar conhecimento para avaliar sua dimensão, impacto e não ser golpeado como fomos por muitos anos com a ilusão da 'fábrica de chocolate' do prefeito Marcos Dantas. Acredito que esse projeto do empreendimento Caline deve   provocar um impacto social positivo e comportamental dos produtores. Na sua maioria, descapitalizados devido à crise do cacau. Esse empreendimento privado que tem a contrapartida do município em cessão do espaço público e possivelmente isenção fiscal, além de gerar empregos será uma porta de entrada para um modelo visionário de desenvolvimento, daí deve amenizar a crise causada pela falta de visão, na ocasião, dos produtores com a chegada da famigerada vassoura-de-bruxa no início da década de 1990.   Estamos vendo uma luz no fim do túnel para os produtores que já não aguentam mais gritar no deserto por falta de políticas públicas nos três níveis de governos municipal, estadual e federal. A nossa região tem jeito, o problema é técnico e político. Outro dia disse num evento: nossa região precisa de prefeitos, gestores capazes de mobilização. Não acredito em prefeito administrador tão somente de FPM e ICMS como tem sido. Embora seja no último ano do mandato, acho que o prefeito Marcone acordou para a realidade.   Como também não acredito em liderança política que não se manifesta porque tem medo de se expor preferindo ficar calada achando que tem a solução para os problemas técnico e políticos do município de forma simplória. Na minha opinião, o empreendimento chega atrasado, no entanto, nunca é tarde para começar. Quando efetivamente funcionar deve provocar uma demanda na região pelo cacau. Tenho conversado com produtores desde o tradicional cultivo e mão de obra do cacau ao novo modelo de cultivo e manejo. Sabemos que não será fácil, se a fábrica for comprar só cacau com selo de qualidade. A preocupação por hora é que nossos produtores na sua maioria absoluta não se enquadra nessa exigência.  Mas, de tudo, isso não é ruim, é bom! Na verdade pode ser o início da solução da crise. Porque de certa forma vai obrigar os prefeitos saírem dos seus gabinetes em busca de mais investimentos para nossa agricultura e principal cultura porque ainda não temos matéria-prima com qualidade o suficiente para ser processada e exportada. No entanto, temos produtores de forma individual produzindo cacau de qualidade mas, ainda não é o suficiente. A chegada desse empreendimento, como disse anteriormente, deve oxigenar e obrigar mobilização dos produtores; população e políticos. Daí, deixaremos de ser penalizados primeiro pela inércia dos políticos, depois pelas grandes moageiras que compram cacau sem qualidade do continente africano.   Surge uma esperança, quem sabe nosso produto volta a ser valorizado. No entanto, vai precisar destravar os produtores que estão endividados, qualificar mão de obra, principalmente do município para condições do manejo da produção do cacau conforme interesse de mercado para exportação porque chocolate e produtos com matéria-prima do cacau para o exterior exige selo de qualidade. No caso do chocolate para exportação, precisa ter ao menos, 40% de cacau. Mas, só vender a massa, liquor para o exterior não é o suficiente, quem sabe num futuro teremos produção de chocolate em solo itajuipense para consumo no mercado nacional e internacional. Por ora, seja bem-vinda, Caline. 

Por: Erê
Presidente do PSB.
Itajuípe

Copyright © 2012 blog do erê.